Home Sem categoria Valorização da carreira docente vai além de compatibilizar salários

Valorização da carreira docente vai além de compatibilizar salários

0
Valorização da carreira docente vai além de compatibilizar salários

Maria Paula Mansur Mäder*

Não é estratégia, é lei; todo ano, em janeiro, deve haver o reajuste do piso salarial do magistério. A meta 17 do Plano Nacional de Educação (PNE 2014/2024) estabelece valorizar os profissionais do magistério das redes públicas da educação básica equiparando seus rendimentos médios aos demais profissionais com a mesma escolaridade. Sim, é um importante meio de dar o devido valor à carreira, mas “só isso não resolve”!

O que vem sendo chamado de “apagão docente” representa um forte alerta para que a carreira do professor seja priorizada em nosso país, já que é justamente ele o principal fator de aprendizagem dos estudantes. Buscar melhorias para a educação não deve se limitar aos projetos e ações para que os alunos alcancem os melhores resultados; ainda que, concomitantemente, são necessários esforços investidos para uma formação docente adequada, capaz de ser atrativa a bons candidatos para a carreira, e sobretudo para o reconhecimento de seu valor profissional – para muito além de uma remuneração compatível, ainda que esta seja condição inerente à valorização.

Os números alarmantes que resultam na previsão de escassez docente, para um horizonte logo ali, a no máximo 20 anos, são indicados em resultados de diversas pesquisas desenvolvidas nos últimos anos, dentre elas uma publicada pela Semesp, entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil. Fatores como a baixa procura pelos cursos de licenciatura, levando muitas instituições, especialmente as particulares, a extinguirem a oferta. O abandono da profissão se dá por conta da precariedade das condições de trabalho – que vão desde a infraestrutura até as situações de violência em sala de aula – , e sobretudo, à defasagem quantitativa entre professores com até 24 anos, em início de carreira, e aqueles com 55 anos ou mais, encerrando sua trajetória profissional, fomentam a previsão de um déficit de professores na educação básica que pode chegar a 235 mil, em 2040. Isso porque, considerando uma proporção de 20 pessoas entre 3 (três) e 17 (dezessete) anos para cada docente em atividade na educação básica, serão necessários 1,97 milhão de professores para atender a demanda daqui a 17 anos.

Porém, se a porcentagem de crescimento de ingressantes nos cursos de licenciatura continuar diminuindo na proporção em que está hoje – entre 2010 e 2020, enquanto os demais cursos superiores tiveram crescimento de 76%, as licenciaturas aumentaram em 61% -, esse número de docentes não será alcançado.

Para algumas áreas do conhecimento, o cenário é ainda mais grave: cursos de Biologia, Física e Química representam menos de 5% do total de matrículas nas licenciaturas, lembrando que nem todo ingressante chega a concluir o curso, e ainda não são todos os egressos de licenciatura que seguem carreira na docência. Outro dado preocupante é que essa porcentagem de ingressantes só chega a este número porque grande parte dessas matrículas (quase 60% desse total) são na modalidade EaD. Mas isso é problema? Não deveria ser, mas, infelizmente, o cenário real dos cursos que formam docentes a distância não é dos mais promissores.

De acordo com o professor doutor António Nóvoa, respeitado pesquisador na área de formação docente e reitor honorário da Universidade de Lisboa, formar um professor é formar um profissional da educação, assim como formar um médico, referindo-se à importância que deve ser dada à profissão em termos de qualidade, recursos e investimentos. Entretanto, na contramão dessa reflexão lançada por Nóvoa, os cursos em EaD não possuem exigência de formação prática ou de estágios de docência em escolas públicas, resultando, muitas vezes, em egressos com fragilidades para enfrentar os desafios da sala de aula e a responsabilidade com a educação. A oferta desses cursos é grande, e com seu baixo custo atrai justamente um contingente de estudantes que almejam cursar uma faculdade em busca de uma carreira, mas, infelizmente não possuem capacidade para ingressar em cursos mais concorridos e, em geral, profissões melhor remuneradas.

Estamos, portanto, diante de um círculo vicioso, ou como diriam alguns, do “dilema de Tostines”, é preciso romper com essa corrente enquanto ainda há tempo de evitar o apagão docente, valorizando a carreira desde a sua formação, passando pelas condições de trabalho e de remuneração. A missão é desafiadora, mas na pauta da educação, o que não é?!

*Maria Paula Mansur Mäder; doutora em Educação; coordenadora de produção e disseminação no Instituto Positivo.

Previous article Muito além da Ucrânia: guerras e conflitos que ocorrem pelo mundo e não viram notícia
Next article Nota do Enem vale bolsa de até 100% na Universidade
SOMOS A CENTRAL PRESS! Uma agência de reputação que alia a responsabilidade e a ética do Jornalismo e da Comunicação Empresarial à criatividade do mundo da Publicidade e à diversidade do ambiente digital, sem deixar de lado a força do relacionamento interpessoal e das histórias que ajudam a construir marcas fortes e verdadeiras. Em 2020, fomos eleitos a melhor agência de comunicação empresarial do Sul do Brasil e uma das três melhores do País no Prêmio Top Mega Brasil. Além disso, conquistamos diversos outros prêmios, concedidos por entidades como ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), Sindicato dos Jornalistas e ADVB (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here